Seu filho anda muito indisciplinado? Mude essa situação

A rotina diária e as diferentes fases do desenvolvimento infantil são alguns dos desafios para pais e mães

Entendemos por indisciplina atos que contrariam a ordem: bagunça. As crianças tendem a ser indisciplinadas naturalmente por não possuírem a ordem preestabelecida. Adultos possuem regras, já elas não, por não terem sua identidade firmada, preferência ou ideal de vida desenvolvidos. Elas querem aprender, tudo e qualquer coisa, e aí surge a ordem ou a desordem.

Muito se é discutido hoje sobre os modelos educativos, especialmente sobre as condutas baseadas na severidade ou na permissividade. É possível equilibrar as duas vertentes e se basear em uma disciplina positiva, cuja significância tem conquistado cada vez mais adeptos. Trata-se em educar com afeto e firmeza, considerando unicamente o respeito à criança.

Já a educação pouco interessada e imprecisa é resposta aos atos indisciplinares infantis. Essa falha não pode acontecer, uma vez que, como pais, devemos nos dispor a conduzir de modo positivo, afim de evitar métodos convencionais infrutíferos, que só geram rebeldia e ressentimento. Tudo isso acarreta no não ensinamento dos valores para a vida adulta.

Disciplina não é apenas o cumprimento de obrigações

As regras e os limites são essenciais, no que diz respeito ao autocontrole e discernimento do que está certo ou errado, já que favorecem o bem-estar e a vivência familiar. Entretanto, outros quesitos como ensinar as consequências das ações, o respeito ao próximo e a melhorar o comportamento diante das situações também são fundamentais.

Um dos exemplos que podemos citar sobre condicionar a ordem é o ato de iniciar e concluir uma tarefa. Primeiro, o comando deve ser feito de maneira não retórica, ou seja, você deve adaptar a frase para que a criança não consiga responder negativamente. Segundo, é importante que ela saiba o porquê de estar fazendo determinada tarefa. A clareza na orientação é indispensável. Veja dois exemplos de comando:

Em vez disto:

Você quer comer feijão?

Diga isto:

Fiz sua comida preferida e também tem feijão.

Em vez disto:

Nós podemos desligar a televisão e fazer algo diferente?

Diga isto:

Este programa está chato. Está na hora de brincar lá fora!

Este ato ordenado culmina na autoconsciência dos deveres e determina o senso de organização com naturalidade. Sem contar que promove experiência de vida, pois ela entenderá claramente o que acontece após cada escolha.

Não exagere ao estimular com prêmios

Ao concluir uma tarefa, a criança deve ser estimulada de forma natural, com elogio polido, por exemplo. Esse tipo de motivação garante eficácia e é um meio de transformar a educação em algo menos forçoso, sem castigos desnecessários ou disciplina forçada.

Por outro lado, não se deve exagerar recompensando com coisas surreais ou dispendiosas ou com elogios tendenciosos, uma vez que essa ação pode torná-la um adulto condicionado ao interesse, uma pessoa que nunca será cordial ou terá o espírito de compartilhamento – agirá apenas à base de troca de favores.

 Observe a origem da indisciplina

O mau comportamento não pode ser uma constante, mesmo com a conduta de disciplina. A desobediência deve ser avaliada de forma criteriosa e questionadora: Algo está acontecendo na escola? A criança tem dormido o suficiente? Ela está se sentindo bem? Como é a situação dentro de casa, quando você não está?

A indisciplina nem sempre é um capricho infantil. Quando a criança se acalmar, converse com ela e tente entender melhor a situação e conduza da melhor forma para resolver isso. Sabe-se que instruir não é algo que ocorre instantaneamente, é essencial estar preparado para o que vier. As mudanças de comportamento só serão percebidas à medida que ela vai crescendo, mesmo que isso signifique um ou outro momento de birra ou uma briga sem motivos.

Ser pai e mãe requer muitas atribuições, uma delas é servir de modelo como formador. É um esforço exigido para que a criança aprenda a viver em uma sociedade diversificada, em que palavras como respeito, valorização, empatia, tolerância e amor venham antes de qualquer outra coisa. Esse cuidado na infância é valioso e recompensador no futuro.